quinta-feira, 15 de novembro de 2007

Todos acham que são pessoas
Individualidades que contam
Mas me diga
Quem são as pessoas pra quem
Nada é?

9 comentários:

Sérgio Pontes disse...

As pessoas que nos rodeam têm a importancia que nós lhe damos!

Cumprimentos

z.B. disse...

1) Isso é lindo!
2) Zé, você ainda acha que a poesia não pode abrir caminho na linguagem?
3)para além de uma análise formal para qual não tenho a mínima competência segue: o caminho parece sempre o errado, não se trata mais de ser criar o Ser, mas de acreditar que Nada é.

Dóri disse...

não há dúvida de que a poesia abre-se para a linguagem!

vkitsis disse...

1)poesia é linguagem onírica; assim como nos sonhos, se tentamos racionalizar vai tudo por água abaixo.
2)poesia me incomoda porque não consigo apreendê-la
3)morro de inveja de quem sabe saborear poesia!
4)Z.B! ainda não consegui entender seu comentário hiper-cabeçudo de número 3...

z.B. disse...

Vanessa,
Você mesmo tem a resposta para "entender" meu comentário no.03. Siga o seu comentário no.01 "Se racionalizar vai tudo por água abaixo"
Para saborear poesia faça o mesmo... siga seu próprio conselho e sonhe! Esqueça a academia, não pense em rimas ou métricas (é assim que eu faço, embora confesse uma certa inveja de quem consegue "estudar" poesia).
Resumindo, grande sacada a sua "Poesia é linguagem onírica". Será que o o nosso amigo Zé concorda?

Dóri disse...

van, poesia pra mim é a abertura/liberdade maior. Saboreie o quanto puder/for possível, não há uma explicação, mas sentidos, sensações e sentimentos. E se não te toca não é um poema, não merece ser chamado assim por você. É assim que eu entendo a poesia na minha vida. Muito particular.
beijos,
(e se pensarmos que de todos nós aqui vc é a mais artista?! )

vkitsis disse...

Acho que a gente deveria discutir isso melhor tomando uma cerveja...
bj,
vanessa

Sérgio Pontes disse...

O novo look do blog está muito giro!

Cumprimentos

Reinadi Sampaio disse...

Poesia, tantas vezes sonhei poesia...

Arrumar as bagagens de mim mesma...
Alçar vôo ao infinito!
Que bagagem arrumando estará uma flor?
De coisas? De sonhos? De poesias!
Talvez, quem sabe... Sonhos...
Só assim... Quem sabe... Sei lá sei lá...
Essa emoção perpetuar em versos de poesia...

Dos muitos poemas,
Dos mais belos e inspiradores,
Dos mais intensos e avassaladores,
Dos mais simples e triviais,
De todos os poemas,
De cada interpretação que se dá,
De cada reflexão que provoca,
De cada emoção que se liberta
Ou que ousamos libertar,
A única e grande verdade,
Possivelmente não a única,
Mas uma das grandes verdades
E esta é inegável
– Em algum momento um cérebro –
Com toda a sua química,
Com toda a sua sensibilidade,
Joga ao vento palavras...
Influenciado por inquestionáveis coisas...

– Coisas –
E o mundo que cabe nesta palavra...
~~~~~~~~~~
Obrigada pela existência de tão belo espaço. O descobri agora vendo um documentário sobre o Budão. Vim à net, pesquisei... Cheguei aqui.
Parabéns.
Um grande abraço fraterno.
Reindi.